quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Poderíamos casar.


Não chegaríamos sequer perto do exemplo de família perfeita. Teríamos um apartamento, quem sabe uma casa com jardim e um cão com pêlo brilhante. Improvável. Tomaríamos café as cinco da tarde. Você reclamaria o fato de eu ligar o chuveiro horas antes de ir para o banho. Eu, por você ter arranhado meu CD de jogo favorito. Eu não admitiria o quanto você fica bonito quando bravo e você não diria que lembra da cor do sapato que eu usei quando nos vimos pela primeira vez. Discordaríamos quanto a cor das cortinas. Não arrumaríamos a cama diariamente, beberíamos juntos em algum clube no final de semana. A geladeira seria repleta de congelados e coca-cola, o armário, de porcarias. Adiaríamos o despertador umas trinta e duas vezes só para ficarmos horas na cama enrolando e falando qualquer besteira. Você me ensinaria alguma coisa sobre futebol, e eu te convenceria a assistir aquele filme no cinema. Sentaríamos na sala de pijama e pantufas, você iria direto para o caderno de esportes no jornal e eu comentaria alguma notícia qualquer. Você saberia o nome do meu perfume, eu saberia onde você largou a última edição da revista de música. Sairíamos pra jantar em algum dia de chuva e não nos importaríamos em chegarmos encharcados. Dormiríamos com o computador ligado. Nos beijaríamos no meio de alguma frase. Você pegaria no sono com a mão no meu cabelo e eu, escutando sua respiração. Eu riria sem motivo e você perguntaria porque, eu não responderia. Saberíamos. 
Poderíamos casar…

Se você consegue fazer uma garota sorrir, você pode fazê-la fazer qualquer coisa.
quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Morfina


Quando lutamos contra nós mesmos, somos os únicos a colecionar feridas. Até que ponto vale a pena ater-se ao caminho da menor-dor, do baixo risco e do conforto calculado? Você grita para si mesmo com tanta força essa mentira, que acaba por não ouvir o peito clamando por um segundo de atenção. Mas eu consigo ouví-lo, quando ele encosta no meu, e sigo aguardando o dia em que a tua garganta, de tão rouca, deixe chegar aos teus ouvidos o que para mim fica claro toda vez que teus olhos fecham antes dos meus: é recíproco.
Eu poderia dizer que fui acometido por uma abstinência de sensações às quais já estava acostumado. É o que você sempre diz, mas eu ainda não me acostumei a você. Por isso que eu sempre volto, mesmo quando a minha autoestima implora para que eu espere por um sinal teu. Teus sinais foram dados; nós é que falamos línguas diferentes, quando o assunto é sentir e expressar.


Eu poderia dizer o que já repeti em refrões antigos: que sou “alguém pra ocupar o lugar / de quem não vai voltar”. São palavras que me saltam da língua e páram nos dentes, sempre que sinto medo de que você confirme a minha hipótese. Então eu sigo o teu conselho de me ater apenas às tuas ações. E assim eu sigo, tirando da tua boca frases impensáveis, do teu peito, o calor que eu preciso e, da tua vida, tudo que vai de encontro aos teus planos de não me deixar entrar. Aluguei um espaço no teu pensamento e me sinto confortável aqui, embora nada me garanta que eu não possa ser despejado. Se for pra ser, que assim seja: o frio da rua é mais confortável do que um lar onde já não se quer mais morar. E faz tempo que eu me mudei, jogando fora as chaves da antiga morada.
A vida ensina, a gente aprende. No entanto, isso não quer dizer que não devamos, às vezes, desobedecer as leis que nós mesmos criamos. Cansei de lutar contra mim mesmo, pois já me cobrem o corpo feridas em diferentes fases de cicatrização. Aqui estou, pronto para me aplicar com mais algumas doses cavalares de você, se assim me permitir. E eu já não mais vivo sem essa morfina que eu batizei com o teu nome, há alguns meses atrás.

Beeshop


“A todos trato muito bem, sou cordial, educada, quase sensata, mas nada me dá mais prazer do que ser persona non grata, expulsa do paraíso, uma mulher sem juízo, que não se comove com nada. Cruel e refinada, que não merece ir pro céu, uma vilã de novela, mas bela, e até mesmo culta, estranha. (…) Aqui entre nós, melhor que ser boazinha é não poder ser imitada.”
— Martha Medeiros.
terça-feira, 28 de setembro de 2010

Inteligência é afrodizíaco.



Na minha época de estudante de 2º grau, ouvi uma professora fazer uma pergunta boba sobre sexualidade que à época pouco me chamou atenção apesar da surpresa da resposta. Era o 1º ano ainda, haviam muitos alunos “turistas” do tipo que sabe-se que não chegam até o fim do ano, e a aula era de Física. E a professorinha perguntou em meio ao assunto que estava no ar: “Qual é o maior órgão sexual” E começou o burburinho e risadinhas tolas de sempre. Após algum suspense ela saiu com a resposta: “Para quem pensou bobagem, o maior órgão sexual é o cérebro” e decepcionou a todos!
Na ocasião até me surpreendi com a resposta, não esperava algo assim tão profundo e confesso, estava pouco interessado em filosofar sobre o assunto. Mas hoje entendo o que a Professora nos quis dizer. O ser humano como corpo tem o sexo, mas como alma tem a sensualidade; o erotismo. Uma se relaciona com a outra, mas a sensualidade, como atributo próprio do espírito, a qual somente ele capta, é muito mais envolvente.
Porque não somente corpos são sensuais e esse é um atributo próprio do corpo. Mas uma postura pode ser sensual, um jeito de falar pode ser sensual, um olhar penetrante também, ou todos esses atributos juntos conduzidos por uma atitude inteligente; envolvente; com certeza são sensuais. Theophile Gautier resumiu perfeitamente este pensamento ao concluir que Amar é admirar com o coração, e admirar, é amar com o cérebro.
Recentemente, uma pesquisa confirma o que tenho dito ao constatar, na Inglaterra, que mulheres com maior instrução, tendem a ter mais dificuldades de se realizar na cama. A hipótese levantada por especialistas é a de que essas mulheres idealizam demais a situação, e travam diante da crueza do ato sexual. É assim: Na imaginação, tudo é perfeito. Mas aquilo que atrai, encanta, provoca e excita entra em choque com uma realidade íntima não levada em conta. Somente o hábito supera esse choque.
Entendo a sensualidade como a excitação causada pela constatação ou contemplação do que é belo ou de alguma forma incitante. E isso acontece na imaginação. Atualmente, alguns até afirmam que certos carros são sensuais. E não é difícil encontrar por ai alguns objetos produzidos pelo design contemporâneo que nos transmitem algo estimulante de alguma forma. Isso acontece porque ali não tem só funcionalidade, mas tem a mão inteligente de quem o concebeu na imaginação. Não é meramente arte gratuíta, é humano, é inteligência.
A melhor definição que já ouvi para inteligência foi como sendo a capacidade de se estabelecer relações (entre idéias). Tem menos a ver com alardar CONHECIMENTO (embora um bom repertório seja fundamental) e mais com ESPERTEZA, perspicácia, agilidade mental. É a agudeza de espírito que relaciona uma situação comum à outra incomum, e daí cria graça, leveza, humor. A alma humana se sente tão atraída por nobres sentimentos, quanto um corpo se sente atraído por outro. Mas convenhamos, não sou puritano, se juntar os dois tipos de atração fica bem melhor.
Por Ronaud Pereira
segunda-feira, 27 de setembro de 2010


"Na minha opinião existem dois tipos de viajantes: os que viajam para fugir e os que viajam para buscar."


Érico Verrísimo


Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade. Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta. A gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável. Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são caretas, que os que transam muito não são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto. Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto… Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente. Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém. 


John Lennon
domingo, 26 de setembro de 2010

Sobre as minhas exigências



… Antes de tudo, seja engraçado; me faça abrir vários sorrisos, diga tudo o que vier em sua mente, quem liga para nexo? Envie tudo o que escrever. Falando em escrever, escreva cartas, gosto de colocá-las na minha parede. Deixe bilhetes em meu bolso, deixe bombons escondidos no meu quarto. Encha meu quarto de flores. Mande uma cesta de café da manhã. Apareça sem ser chamado. Abra a porta do carro, também deixe eu dirigir seu carro de vez em quando. Não grite comigo, sei revidar muito bem. Diga que me ame, mas tente não usar apenas as palavras. Olhe nos meus olhos sempre. Beije a ponta do meu nariz, minha testa, meus olhos. Me abrace pela cintura e sempre (eu disse sempre) segure minhas mãos. Me faça sentir surpreendida. Mande mensagens de madrugada - mas por favor saiba desgrudar… Nem seja meloso e melodramático. Avise-me com cuidado quando eu estiver sendo. Tenha cuidado também durante minha tpm. Gosto de sentir saudades, o abraço fica melhor. Goste de aventuras, goste de filmes românticos, traga cobertores e cafés para casa e me peça para fazer brigadeiro. Deite para olhar as estrelas ao meu lado. Me faça cócegas, me aperte. Não brigue comigo e nem me julgue. Sempre tentarei fazê-lo sorrir também, gosto de dar socos, xingar e morder. Gostaria de ser alguém mordível também. Ah, são xingamentos carinhosos – mas não é bom ser frequente. Quando eu chorar e pedir para me deixar sozinha, não me deixe, a não ser que eu insista… Lembre-se que ser contrariada é bom, então volte para me abraçar quando eu estiver chorando, ok? Não duvide do que eu digo, a não ser que o contexto seja brincadeiras. Também tenha as suas próprias opiniões, não as mude por mim, não quero clones. Goste de rock, me mande músicas, tenha nossas músicas. Seja caseiro, goste de ficar em casa. Mexa no meu cabelo quando estiver dormindo, deixe-me dormir em seu colo. Nunca aperte minha barriga. Me acorde de maneiras diferentes. Eu acordo de mal-humor, deixe-me sempre escovar os dentes antes. 




Diga que gosta dos meus defeitos, tente ser verdadeiro. Sou orgulhosa, me convença a não ser. Não pague as contas para mim. Me dê flores, jamais em público. Se formos viajar, pare o carro no meio da estrada, apenas para fotografar ou qualquer outra coisa. Cante. Termine sempre a ligação com “eu te amo” e a noite com “bons sonhos”. Faça-me acordar com bilhetes em cima do criado-mudo ou faça-me procurar por eles. Saiba ser infantil, saiba ser maduro. Enxugue minhas lágrimas, jamais me faça derramá-las. Quando eu perguntar quem é aquela garota, bem, entenda isso como um grande alerta vermelho: não demonstro ciúmes abertamente, mas pergunte os motivos quando eu mudar o tom de voz. Seja simpático. Apoie meus sonhos, construa sonhos comigo. Pense nos nomes de nossos filhos, pretendo ter muitos correndo pela casa. Quando eu erguer sua mão até minha cintura, jamais volte a baixá-la. Selinhos demorados são meus preferidos, tanto quanto aqueles no canto da boca. Escreva muito, e bem, deixe-me ler… Isso me encanta. Segure meu rosto com as duas mãos. Não tenha frescuras a respeito de arrotos e outras porquices. Revele nossas fotografias e as deixe em algum lugar. Não seja possessivo, não sou sua propriedade. Sejamos sempre sinceros. Gosto de algumas discussões apenas pelo gosto de fazer as pazes. Elogie minhas roupas e cabelo, nem faço questão que repare em quando fiz a sobrancelha. Me leve com você quando for comprar roupas, aceite minhas sugestões ao vestir-se. Não critique meus sapatos, nem esmaltes. Tenha um cheiro que me vicie. Não fume, gosto de cheiro de perfume. Tente não beber muito, gosto de hálito de melancia, por favor. Deixe-me deitar em seu peito, me abrace pelo pescoço. Me leve para programas infantis de vez em quando. Surpreenda mesmo assim. Não converse com as garotas que não gostam de mim. Deixe o cabelo a lá “acabei de acordar”, é o melhor estilo. Uma barba mal-feita de vez em quando é ótimo. Seja fiel. Seja meu vício. Seja viciado em mim. Goste de minha família. Não seja sarcástico, mas ironias são bem vindas. Nas discussões, concilie brincadeiras com seriedade. Brinque. Ria. Aperte minhas bochechas. Entenda meus pequenos e idiotas problemas. Me conte os seus. Seja meu melhor amigo. Me faça te entender. Converse, filosofe. Me faça sentir importante e suficiente. É isso, parece tanto, mas não é difícil. Não mesmo…”


Algumas vezes eu fiz muito mal para pessoas que me amaram. Não é paranóia não. É verdade. Sou tão talvez neuroticamente individualista que, quando acontece de alguém parecer aos meus olhos uma ameaça a essa individualidade, fico imediatamente cheio de espinhos - e corto relacionamentos com a maior frieza, às vezes firo, sou agressivo e tal. É preciso acabar com esse medo de ser tocado lá no fundo. Ou é preciso que alguém me toque profundamente para acabar com isso. CFA

Click na imagem!
sábado, 25 de setembro de 2010



Eu quero que você tenha a mais pura felicidade, daquela que só temos quando somos pequenos, eu desejo que você encontre um, dois, três amore de cinema na sua vida, daqueles que nos fazem sofrer e chorar quando termina. Desejo que você possa encontrar a paz que falta hoje em dia no mundo, que só podemos encontrar em alguma ilha deserta perdida no meio do oceano, eu quero, eu desejo, eu espero que você consiga fazer o mundo se silenciar, nem que sejam cinco segundos apenas de paz. Quero que você realize cada sonho seu, porque são esses sonhos que nos dão algum motivo para viver, quero que você também, tenha vários sonhos impossivel, pois eles nos dão um gostinho do que pode acontecer. Que suas lagrímas de tristeza, se tornem lágrimas de felicidade. Que o odio e a raiva que você sente, se torne o mais puro amor que existe. Que todas as suas dores virem sorrisos verdadeiros e singelos. Que você se torne forte com seus erros, e aprenda com os erros dos outros, para você não errar e não se ferir, que você encontre alguem que te ame e te faça sentir especial. Nossa, eu te desejo tanta coisa boa que você não faz ideia do que eu posso te desejar.
Eu te desejo tudo isso, para que eu possa receber em dobro. 
sexta-feira, 24 de setembro de 2010


Ela chegou e foi direto para o banho. Não olhou os recados, não verificou as correspondências e não queria saber de e-mail. Abriu a torneira e deixou a água cair em sua pele, agora com leves hematomas roxos, dores internas. Era verdade. Ou era tudo invenção daquela mente martirizada. Chegar a casa já não era um grande alívio. Aquele frio lá fora e a chuva batendo levemente na janela irritava, trazia as lembranças que queria esquecer. A chuva aumentava, até que uma hora a luz acabou. Estava tudo escuro, mas ela não tinha medo… 


Dentro da sua alma já havia estado bem mais apagado do que aquilo. Aquele tipo de vida era discrepante com a vida que sempre sonhou. Ficou na banheira e a água gelada gotejava fortemente em sua cabeça. Não sabe quanto tempo ficou ali, sentindo o nada, perplexa. Encontrar a alma dolorida era difícil. Queria ser escritora, mas não se encontrava. Como pode? Viver a vida dos outros, transcrever sentimentos alheios e não entender a si própria? 


No banho, era como lavar-se por dentro e por fora. Essa vida que é um tornado e às vezes vem assim tão mansinha. Mas parecia bicicleta sem rodinha e que ela não sabia nem como guiar, demora até demais pra recuperar o equilíbrio. Mas sabia, ah ela sabia, que isso ia virar lembrança, cada lágrima iria virar um grão de areia nesse mundo imenso que parece uma ampulheta e que cada momento é ínfimo. Doía e ela nem perguntava, nem questionava.. É só que não precisava cantar o que a fura por aí.. E ela, sem nenhuma expectativa começou a rezar. Porque não conseguiria sozinha e se não tivesse fé em um ser maior, não adiantaria. Ninguém ajuda, só Deus te ajuda. Nessa altura do campeonato era redundante dizer que estava tudo bem quando mentia pra todo mundo. A tristeza era só impressão, viver era só impressão.


Ficando calada, falo além da conta. Afinal, para que serve meus olhos?


Heloise Firmino


Antes de perguntar qual o sentido da vida, pergunte quem disse que a vida precisa ter um sentido.
quinta-feira, 23 de setembro de 2010


"Eu chorei porque precisava de colo, porque precisava te mostrar a minha fragilidade escondida no meu mau-humor. 
Eu chorei porque vez ou outra ele ainda bate na minha porta e eu o deixo entrar, e eu sei que isso é medo do tanto que você habita todos os lugares. 
Eu chorei porque eu sempre canso de tudo e tudo sempre cansa de mim. 
Chorei de cansaço profundo de sempre cansar de tudo e tudo sempre cansar de mim. (..) 
Eu chorei meu medo de submissão, o meu medo de vomitar, o meu medo de me mostrar pra você tanto, tanto, e não ter mais o que mostrar. 
Eu chorei minha infinidade de coisas e o medo de você não querer abrir os mais de um milhão de baús que existem escondidos na caixa cerrada que eu guardo embaixo do meu peito. 
Eu chorei meu fim e o medo do meu infinito. 
E eu teria chorado cinco anos se você não me dissesse que já era hora de parar. 
E eu chorei depois cinco anos escondida, porque eu não sei a hora de parar e não quero que ninguém me diga.” 


Tati Bernardi
quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Virgula.



Vírgula pode ser uma pausa… ou não.
Não, espere.
Não espere..


Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.


Pode criar heróis..
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.


Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.


A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.


A vírgula pode condenar ou salvar. 
Não tenha clemência!
Não, tenha clemência!
Uma vírgula muda tudo. 


Detalhes Adicionais:

SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA.

- Se você for mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER…
  - Se você for homem, colocou a vírgula depois de TEM…

FONTE (ABI - Campanha dos 100 anos)

Estrelas...





As pessoas têm estrelas que não são as mesmas. Para uns que viajam, as estrelas são guias.Para outros, elas não passam de pequenas luzes. Para os sábios...problemas. Para o meu negociante... ouro. Mas todas essas estrelas se calam. Tu porém, terás estrelas como ninguém… Quero dizer: Quando olhares para o céu a noite, (porque habitarei em uma delas, e estarei sorrindo), então será, como se todas as estrelas abrissem um lindo sorriso. E tu verás estrelas que sabem sorrir! Assim, tu se sentirás feliz por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo (basta olhar para o céu, e lá estarei ). Terás vontade de sonhar e sorrir comigo. E abrirá às vezes, a janela do teu quarto, e com muita alegria, olhará para o alto, para sorrir comigo, e com a maior felicidade, e muito Amor no coração… Sorriremos juntos. E teus amigos, ficaram espantados de ouvir-te e ver-te, sorrindo e olhando para o céu. Sim, as estrelas, elas sempre me fazem sorrir e sonhar. 

O Pequeno Príncipe
terça-feira, 21 de setembro de 2010


“Se fosse uma comédia-romântica-americana, a gente se encontraria daqui a um tempo e eu diria a ele, que mesmo depois de ter conhecido homens que não se irritavam com as minhas ironias, não me seguravam com tanta força a ponto de me esmagar, não amavam os amigos acima de tudo, não tinham respostas pra tudo de forma tão irritante. Não eram tão orgulhosos como eu, não tinham humor tão negro. Não eram convencidos demais, Não gostam de flash backs com ex. Não tiravam sarro do meu time, não ligavam se eu confundisse nomes de capitais, movimentos artísticos, ruas e bairros, era ele que eu gostava, era ele que eu queria. E ele me diria que, mesmo depois de ter conhecido mulheres que comiam de forma correta nos horários, mulheres que não fossem tão ciumentas e possessivas, mulheres que arrumavam a cama e não demoravam tanto para sentir prazer, não tinham pernas tão finas, tampouco testudas, não cantavam tão mal, não tinham medo de tudo, não eram tão irônicas, não questionavam tudo o tempo inteiro, não falavam demais, era de mim que ele gostava, era eu que ele queria. Mas a realidade é que não gostamos desses tipos de filme fraco com final feliz, gostamos dos europeus “cult” onde na maioria das vezes as pessoas sofrem e perdem, assim como aconteceu com a gente.”
- Tati Bernardi.
segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Faz de Conta.


Não respondo teus e-mails, e quando respondo sou ríspida, distante, mantenho-me alheia: 


FAZ DE CONTA QUE EU TE ODEIO.



Te encho de palavras carinhosas, não economizo elogios, me surpreendo de tanto afeto que consigo inventar, sou uma atriz, sou do ramo:

FAZ DE CONTA QUE EU TE AMO.



Estou sempre olhando pro relógio, sempre enaltecendo os planos que eu tinha e que os outros boicotaram, sempre reclamando que os outros fazem tudo errado:

FAZ DE CONTA QUE EU DOU CONTA DO RECADO.



Debocho de festas e de roupas glamurosas, não entendo como é que alguém consegue dormir tarde todas as noites, convidados permanentes para baladas na área vip do inferno: 


FAZ DE CONTA QUE EU NÃO QUERO.



Choro ao assistir o telejornal, lamento a dor dos outros e passo noites em claro tentando entender corrupções, descasos, tudo o que demonstra o quanto foi desperdiçado meu voto:


FAZ DE CONTA QUE EU ME IMPORTO.



Digo que perdôo, ofereço cafezinho, lembro dos bons momentos, digo que os ruins ficaram no passado, que já não lembro de nada, pessoas maduras sabem que toda mágoa é peso morto:


 FAZ DE CONTA QUE EU NÃO SOFRO.



Cito Aristóteles e Platão, aplaudo ferros retorcidos em galerias de arte, leio poesia concreta, compro telas abstratas, fico fascinada com um arranjo techno para uma música clássica e assisto sem legenda o mais recente filme romeno:


FAZ DE CONTA QUE EU ENTENDO.



Tenho todos os ingredientes para um sanduíche inesquecível, a porta da geladeira está lotada de imãs de tele-entrega, mantenho um bar razoavelmente abastecido, um pouco de sal e pimenta na despensa e o fogão tem oito anos mas parece zerinho:


FAZ DE CONTA QUE EU COZINHO.



Bem-vindo à Disney, o mundo da fantasia, qual é o seu papel? Você pode ser um fantasma que atravessa paredes, ser anão ou ser gigante, um menino prodígio que decorou bem o texto, a criança ingênua que confiou na bruxa, uma sex symbol a espera do seu cowboy:


FAZ DE CONTA QUE NÃO DÓI.


Martha Medeiros


A gente costuma achar que o mundo inteiro pensa da mesma forma que a gente. A gente costuma achar que somos amados pelos mesmos motivos pelos quais amamos. Mas se as rosas que eu jogo ao vento te ferem como flechas, de quem é a culpa? Minha que não é. 

“Nesta vida temos três professores importantes: o ‘Momento Feliz’, o ‘Momento Triste’ e o ‘Momento Difícil’.
O ‘Momento Feliz’ mostra o que não precisamos mudar.
O ‘Momento Triste’ mostra o que precisamos mudar.
O ‘Momento Difícil’ mostra que somos capazes de superar.” 
(Mario Quintana )
domingo, 19 de setembro de 2010


A gente vai aprendendo a viver assim, na marra, no grito, no sufoco, no impulso. Eu quis mudar o mundo, quis ser brilhante, quis ser reconhecida. Hoje eu quero bem pouco e prefiro me concentrar no agora do que planejar um futuro incerto. Eu me libertei da culpa e dei de cara com algo novo: não me encaixo, e aceito. Não é justo perder as asas no momento em que se descobre tê-las. É preciso poder voar, é preciso ter uma visão estratégica das janelas. Ver o sol e não poder tê-lo é absurdo.” 


Verônica H.
sábado, 18 de setembro de 2010

Deus dá asas, faz teu vôo.

video

Ele sonhou.
Seu sonho era voar.
Mais não tinha asas.
Então, o que fazer?

- Já sei, vou colocar as árvores no precipício, com a ajuda de uma corda,
pregando com meus pés, isso eu consigo.
Vou levar muito tempo pra colocar todas essas árvores nessa montanha, mais vou conseguir sim,
Quando eu terminar, o esforço terá valido a pena, eu sei disso.

Vai ser meu primeiro e último vôo, mais vou realizar meu sonho,
Nem que isso me leve para a morte, mais estarei feliz,
Por que fiz o impossível.

Voar sobre as árvores, mesmo sem as asas.
sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Você sabe que virou mulher quando consegue sair com um homem e:



1- Não picotar o guardanapo do restaurante. 
2- Não fazer desenhos com pequenos pedaços de palitinhos quebrados. 
3- Não fazer bolinhas de miolo de pão. 
4- Não falar de ex namorados. 
5- Não falar da mãe. 
6- Não falar sem parar. 
7- Não escrever um texto sobre isso.


Tati Bernardi
quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Dialogo entre a Saudades e o Coração


Pergunta a Saudades:
- O que te entristece coração?
Responde o Coração:
- Estou tentando imaginar o que ele esta fazendo, se esta precisando de algo, se estas pensando em mim, se sentiu o mesmo que eu sinto e tantas outras coisas mais.
Pergunta a Saudades:
- E o que senti por ele?
Responde o Coração:
- Não sei bem, às vezes procuro palavras para me convencer do que é, mas não acho. Só tenho a certeza que é algo novo que até então era desconhecido.
- Hum… Diz a saudades:
Diz a saudades:
-Mas quanto a mim, fique tranqüilo isso é momentâneo.
Pergunta o Coração:
- Ainda que seja, por que tem que doer tanto? Por que meche comigo dessa forma, que até meus pensamentos já me roubou, como se já não bastasse ter-me por completo.
Responde a Saudades:
- A resposta é simples Coração.
- Existe um outro sentimento que nasceu antes mesmo de mim, porém você ainda não o percebeu no meio disso tudo.
Pergunta o Coração:
- Como assim? Um outro sentimento? E ainda tem lugar pra mais um?
Responde a Saudades:
- Sim meu caro, esse é maior do que eu e todos os outros, é também o mais bonito. Ainda que eu e os demais sentimentos tentemos enfrentá-lo não venceremos. É invencível. Porque é Dom de Deus e uma Dádiva da vida.
- É o Amor! E só sentimos saudades daquilo que Amamos.


http://leninhaflordeliz.tumblr.com/