quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Um dia me vi assim... sendo protagonista da sua vida!


Um dia, acordei com essa gripe dos infernos. Daquelas que te pegam e te derrubam na cama. Tive que ficar em casa o dia inteiro espirrando e tomando xarope. Lá pras 18h, o telefone tocou. Era meu namorado. Eu tinha esquecido totalmente que era dia dele vir aqui em casa e esqueci de avisá-lo da gripe.
— Desculpa, amor. Mas eu acho melhor você não vir hoje. Eu tô um caco, sabe? Só vou servir pra te passar gripe e espirrar em ti.
— Você tem certeza?
Na verdade eu queria muito ele aqui. Mas pra quê sacrificá-lo só por egoísmo meu?
— Absoluta. Vai fazer coisas divertidas, sei lá. Joga video game, engravida alguém, arranja uma nova namorada, porque a sua está meio defeituosa.
Todos tinham saído de casa e eu tinha a sensação de que um rolo compressor tinha passado em cima de mim. Eu estava na cama, abraçada com um travesseiro, assistindo algum programa que eu nem ligava em saber qual era.Então a campainha tocou. E quando abri a porta, eu quase esqueci de estar doente e pulei nos braços dele. 
Apontei para as sacolas que estavam na sua mão. — O que é tudo isso?
— Bom… — ele parecia envergonhado — eu meio que pesquisei na internet algo bom pra gripe e vi essa tal sopa…. então comprei os ingredientes, eu sei que você vai chiar, mas você vai ter tomar, amor.  Daí eu passei na farmácia no caminho e pedi pra separarem alguns remédios. Acho que exagerei. 
 Você vai fazer sopa pra mim? — Eu não conseguia tirar o sorriso do meu rosto. Parecia que ele tinha dito “vou salvar o mundo”, “trouxe a paz mundial”, “encontrei a cura para o câncer”.
— É… você só precisa me mostrar como liga o fogão. — ele tentou segurar o riso.
Eu estava sentada, observando ele se atrapalhar com os ingredientes e resolvendo colocar tudo dentro da panela. Quando não resisti e soltei.
— Porque você veio?
— Porque eu tinha que vir.
— Não… você não tinha. Eu te deixei livre pra fazer outra coisa, deixei claro que você não precisava vir. E mesmo assim você está aqui. Porque? Não é como se eu fosse ficar com raiva. Ter que cuidar de uma doentinha não é algo legal de se fazer.
Ele estava olhando pra panela enquanto falava — Na saúde e na doença.
Bufei. — Isso são votos de casamento amor. A gente não é casado.
— Ainda. Mas eu tenho que começar desde cedo, né? Ir logo me preparando.
E então, eu soube. Não eram grandes feitos, gigantescas declarações de amor, flores ou surpresas inesperadas que demonstrava realmente o que uma pessoa sentia pela outra. Eram coisas simples, bobas. Como fazer uma sopa, por exemplo. Como cuidar do outro, quando está doente. Ficar do lado, segurar a mão quando ele estiver com medo, abraçar quando sentir frio. São esses pequenos detalhes que fazem toda a diferença.
E quando ele tocou a campainha da minha casa, era a forma mais pura e verdadeira que ele podia, de dizer um “eu te amo” pra mim.

4 comentários:

JouElam disse...

Olá, amiga ! Tem um presente de Natal para você no Távola de Estrelas!Desejamos a você votos dum
Natal muito Feliz e de um Ano Novo Maravilhoso!

beijinhos,

JouElam & Dani

Távola de Estrelas: http://jorgemanueledanieledallavecchia.blogspot.com/2011/12/um-selinho-pra-voce.html

simplesmente o que sinto disse...

nossa, foi lindo o que você escreveu, eu sinto a mesma coisa. são coisas tão simples que te fazem sentir amada.
admiro a forma como você consegue escrever coisas tão lindas de momentos vividos do seu cotidiano... quando eu estava lendo senti como se fosse isso que eu queria escrever quando passei por algo parecido...

Jovem Amante disse...

Olá Flor!
Seu Blog é lindo!
Venho trazer um recadinho.. Hehehe!
Entrem no meu Blog, vce vãio amar..
Trago frases , textos lindos...
É totalmenete teen...
http://jovensamantes-indecente.blogspot.com/

Mariana Penna disse...

As melhores demonstrações de amor estão nas mais simples atitudes.

Bjusss!!

Postar um comentário

Faça um Blogueiro feliz, comente! rsrs ♥
Obrigado amores pelo carinho sempre constante.